emanuele

Formada pela Universidade Norte do Paraná (UNOPAR)

Pós graduada em Fisioterapia em Neurologia pela mesma instituição

Cursos de formação:
OSTEOPATIA –  Pelo IBO, Bernard Quef. França.
R.P.G. – Instituto Philip Souchard, França.
ISO STRETCHING , Bernard Redondo, França.
PILATES - Instituto De Markondes, Brasil, conveniado NY.
POSTUROLOGIA – Bernard Bricot, França.

“Osteopatia: A arte de tratar com as mãos.”

A Osteopatia é uma ciência diagnóstica e terapêutica, que tem como ênfase promover a integridade estrutural e funcional do corpo.

É uma técnica curativa que consiste na manipulação do sistema músculo esquelético, visceral e craniano.

A osteopatia nasceu pelas mãos do médico americano Andrew Taylor Still. Still cria uma terapêutica manual de diagnóstico e tratamento, baseada no conhecimento profundo da anatomia humana.

Através de longos anos de estudos, Dr. Still contemplou a possibilidade de que todas as estruturas musculares, nervosas, ósseas, articulares, conjuntivas e vasculares contivessem em si a resposta para a autorregulação do organismo. Dr. Still, cria assim uma visão mecanicista do ser humano, segundo a qual, a estrutura do corpo governaria a função.

Seguindo com seus estudos, Still funda sua primeira escola de osteopatia em 1892, em Kirksville, Missouri e consegue que a osteopatia seja aceita como profissão em 1897.

Segundo Dr. Still, o retorno à saúde, poderia ser uma decorrência da remoção das restrições impostas por entraves anatômicas que bloqueariam a plena mobilidade do organismo. A saúde poderia ser vista como a liberdade de movimento corporal.

Daí por diante, surgem alunos e pesquisadores que difundem a osteopatia pelo mundo, e entre eles surge e se destaca Willian Garnel Sutherland, que funda a osteopatia no campo craniano, W. G. Sutherland começa seus estudos no campo craniano ainda como aluno em 1899, mas só apresenta formalmente sua interpretação de tratamento craniano em 1940. A osteopatia craniana tem resultados fantásticos, especialmente em crianças, onde podemos contar com a plasticidade do SNC.

Outra figura que se destaca é o médico escocês John Martin Littlejohn, o qual cria em 1917 a British School of Osteopathy, primeira escola de osteopatia européia, celeiro de onde se difunde o ensino da osteopatia pelo continente. A chegada dos ensinamentos da osteopatia no Brasil acontece pelas mãos de Bernard Quef, osteopata francês que em 1986, administra os cursos que darão início à formação dos primeiros osteopatas brasileiros.

Eu, tive a honra de fazer a minha formação em osteopatia com Bernard Quef, no período de 2003 a 2008. Infelizmente, ele não está mais entre nós, mas deixo aqui meus agradecimentos ao meu grande mestre, que me fez aprender a amar esta ciência maravilhosa que é a osteopatia.

A estrutura e sua função
O sistema neuro-músculo-esquelético é regulador de todos os outros sistemas. Disfunções dos componentes somáticos podem ser uma manifestação de doenças ou um fator que contribui para agravar a própria doença.

O organismo tem a capacidade de se auto-regular e auto-curar
Uma vez que eliminamos os obstáculos que causam e promovem a doença. O corpo é capaz de se auto-regular quando está equilibrado em sua estrutura e com condições ambientais favoráveis e nutrição adequada. O homem como todo indivisível: Corpo – Mente – Espírito em harmonia.

O sangue
Transporta todos os nutrientes necessários para o funcionamento saudável dos tecidos. Uma boa circulação vascular é essencial para o bom funcionamento do organismo.

Unidade indivisível
O corpo é uma unidade indivisível em movimento. O fluxo nervoso, linfático e vascular são cruciais para a manutenção da saúde.

A doença provoca disfunções e as disfunções provocam doenças. Traumas, acidentes, movimentos repetitivos, postura inadequada, lesões intra-uterinas, etc… Acabam fixando as articulações e os tecidos corporais em posições inadequadas levando-os ao mau funcionamento e ao surgimento das lesões.

A osteopatia reconhece que a maior parte da dor e incapacidade que sentimos, advém de disfunções da estrutura corporal. A osteopatia reequilibra a biomecânica corporal, colocando as articulações, fáscias e tecidos corporais em um bom funcionamento.

As manobras agem nos tecidos aumentando o fluxo sanguíneo, fazendo drenagem das toxinas e reequilibrando todo o sistema corporal. O método é realizado manualmente com manipulações e mobilizações precisas.

É indicado no tratamento de: enxaquecas, cefaléias, hérnias de disco, uncoartrose, dores gerais na coluna vertebral, formigamentos, dores irradiadas para braços e pernas, disfunção temporomandibular, torcicólos, entre outros.

Geralmente cada consulta é feita semanalmente, com o tempo passando para manutenção periódica.

A eficácia é surpreendente, pois são necessárias poucas sessões, mas alerto para a importância da colaboração do paciente. O paciente deve ter em mente que está em tratamento e deve ter cuidados em seu domicílio, no trabalho e deve levar a sério as orientações. Assim teremos um resultado que muitas vezes é surpreendente pela rápida melhora.

A Osteopatia é Arte, Ciência e Filosofia.

A osteopatia busca a causa das doenças e diagnostica e trata utilizando as mãos. O osteopata deve ter conhecimentos profundos em anatomia e fisiologia, respeitando o princípio da unidade e globalidade do ser humano, a relação mútua entre a estrutura e a função, e a capacidade de auto cura e auto regulação do organismo humano. Esta simplicidade aparente, necessita de 5 anos de estudos (1.700 horas de formação) e de muita, muita dedicação e trabalho pessoal.

O osteopata é um profissional consciente de suas competências e de seus limites, sabendo que é fundamental trabalhar em parceria e com muito respeito, juntamente com outros profissionais, visando o bem estar dos pacientes.

“O corpo funciona como uma unidade total e possui mecanismos de auto cura e auto regulação.”
A.T. Still

Nós osteopatas, mostramos o caminho, damos a direção e tiramos os obstáculos do caminho.

Scan0001
Bernard Quef – Osteopata francês.